O HOMEM EM CARNE VIVA

O contributo de Michel Henry para a Teologia da Encarnação

Leia mais
Oferta especial limitada
12,74 € 14,15 €
DESCONTO-10%
Overview

Desde o princípio da reflexão cristã que o conceito de carne teve uma semântica vasta e, muitas vezes, díspar. Os primeiros Concílios da Igreja são disso uma prova, assim como todas as lutas contras as mais variadas heresias. Foi São Justino quem usou pela primeira fez o termo Encarnação: (Apologia Prima Pro Christianis, n.º 32). Depois disso, foi longo, e fecundo, o caminho até ao Concílio de Calcedónia. Michel Henry faz uma oportuna inversão da Fenomenologia e define, desde L' Essence de la Manifestation, sua primeira grande obra, conceitos importantes de corpo, individualidade, subjetividade, afetividade, imanência, ipseidade. A imanência, anterior à transcendência, é manifestada na subjetividade; a subjetividade é a possibilidade de sentir, de se constituir pelo sentir-se afetado; a imanência é a essência da transcendência (L' Essence de la Manifestation, p. 309). A primeira imanência é a afetividade, esse sentir-se afetado, sentir-se a si mesmo sem medição, dado em si, sem experiência prévia, como manifestação, automanifestação. A influência de Mestre Eckhart é muito presente: quem quiser contemplar Deus, deve ser cego (Tratados e Sermões, p. 226). Toda a mediação é desnecessária para se ter acesso a si mesmo, é a experiência da Vida que se manifesta e funda cada Si, é a Verdade, é a arqui-subjetividade que se revela na Carne como matéria fenomenológica pura. Única em cada Homem na unicidade de cada pathos, como Parusia do Absoluto, da Vida absoluta que não é um conceito, uma abstração (Incarnation, p. 193), mas uma experiência fenomenológica na qual se é surpreendido como Vivente, participante desse Primeiro Si Vivente (Paroles du Christ, p. 107), que é o Verbo Encarnado. A Encarnação do Verbo é a geração na carne de Deus e a revelação de Deus na carne (Ibidem, p. 106).

Uma breve introdução à leitura de Michel Henry e ao que sobre ele aqui se escreve

Arnaldo de Pinho 

Introdução ·

Capítulo I. A formulação do dogma da Encarnação

Capítulo II. Michel Henry e a Fenomenologia

Capítulo III. A Fenomenologia da Vida

Capítulo IV. Fenomenologia da Carne

Capítulo V. A Encarnação de Cristo

Capítulo VI. A receção de Michel Henry e a Teologia da Encarnação

Capítulo VII. Uma Cristologia Henryniana: a Cristologia da Encarnação

Conclusão

Bibliografia

Posfácio

Luís António Umbelino

Leia mais
Sinopse
Índice
Índice
Comentários
Deixe-nos o primeiro comentário!

Deixe um comentário

  • Avaliação:
Descreva este livro utilizando apenas adjetivos ou uma frase curta.
Importar imagens:
Arraste as imagens para aqui ou click para importar.
Detalhes do produto
9789899058125

Ficha de dados

ISBN
9789899058125
Data
12-2021
Edição
Editora
UCP | Porto
Páginas
223
Dimensões
230x160x15 mm
Tipo de produto
Livro
Idioma
Português
Coleção ou Revista
Biblioteca Humanística e Teológica
Classificação temática
Teologia » Estudos de Religião
Títulos relacionados
Pesquisas recentes

Menu

Crie uma conta gratuita para usar a lista de favoritos.

Login