Católica Law Review v. 4 n. 2 (2020): Direito privado

Oferta especial limitada
13,50 € 15,00 €
DESCONTO-10%
Overview
O número 2 do volume IV da Católica Law Review, que agora se publica, representa a consolidação do caminho iniciado há quatro anos, dando consistência a um modelo de revista que, sendo habitual além-fronteiras, é ainda relativamente incomum em Portugal. Não só todos os artigos publicados – sejam fruto de convite especificamente endereçado ao autor ou de resposta à call for papers previamente anunciada – foram submetidos a um rigoroso procedimento de revisão pelos pares, como os revisores que desempenharam esta função foram selecionados de entre académicos de instituições – nacionais ou estrangeiras – externas à Universidade Católica Portuguesa. O presente número conta, na parte doutrinal, com os contributos de Caroline Jonnaert (Universidade de Montreal), Federico Galli (Universidade de Bolonha e Universidade do Luxemburgo), Ljupcho Grozdanovski (Universidade de Liège), Judith Martins-Costa (Universidade de São Paulo), Manuel Carneiro da Frada (Universidade do Porto), Pedro Oliveira (Universidade de Coimbra) e Vibe Ulfbeck (Universidade de Copenhaga). Inclui ainda um comentário a um Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça da autoria de Paulo Olavo Cunha (Universidade Católica Portuguesa – Escola de Lisboa) e uma recensão de António Agostinho Guedes (Universidade Católica Portuguesa – Escola do Porto). No seu artigo, Caroline Jonnaert questiona até que ponto o sistema canadiano de direitos de autor protege (ou não) as obras criadas com recurso a sistemas de inteligência artificial, defendendo que a resposta para tal se descobre na noção jurídica de “autor”. Federico Galli, por seu turno, aborda o problema das distorções nas decisões dos consumidores quando apoiadas em sistemas de inteligência artificial, dando especial enfoque ao Direito europeu do consumo – maxime à Diretiva relativa às práticas comerciais desleais – e ao Detour Act norte-americano. Ljupcho Grozdanovski, tendo por base a análise das implicações ratione personae e ratione materiae que a automação tem para a atividade laboral, pondera se a inteligência artificial deve beneficiar de um estatuto de trabalhador feito à medida ou se deve permanecer na categoria de bem. O texto de Judith Martins-Costa, por sua vez, tendo por mote a receçãono Direito brasileiro da categoria da obrigação de meios e da sua especificação, a obrigação de melhores esforços, examina as regras relativas ao seu cumprimento e ao seu incumprimento, destacando as especificidades da resolução por inadimplemento de uma obrigação de melhores esforços. Ao conceito dedignidade da pessoa humana, com especial consideração da ordem jurídica portuguesa, é dedicada a reflexão de Manuel Carneiro da Frada, propugnando um conceito material forte, não relativista, como base sólida dos direitos da pessoa e referente ético-jurídico para a autonomia e a liberdade do sujeitoque o direito positivo deve coerentemente seguir. O panorama atual do instituto da responsabilidade solidária entre transmitente e transmissário pelos créditos laborais, no contexto específico da transmissão de unidade económica, é o objeto do estudo de Pedro Oliveira. Numa era de automação e digitalização, Vibe Ulfbeck trata, em particular, da repercussão desta realidade nas regras de responsabilidade pelo produto, averiguando, para além dos desafios que a automação coloca quer ao conceito tradicional de produto quer ao conceito de defeito, se a plataforma digital usada para distribuição de produtos poderá ser considerada um “produtor”. A estes escritos juntam-se o comentário de Paulo Olavo Cunha ao Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça de 17 de dezembro de 2019, sobre a inexistência jurídica das deliberações sociais, e a recensão de António Agostinho Guedes à obra de Catarina Monteiro Pires intitulada “Contratos I. Perturbações na Execução”, publicada em 2019. À semelhança do que se verificou nos números anteriores, também neste se procurou apresentar uma revista com temas diversificados, transversais e atuais, pensa-se que aptos a suscitar o interesse não apenas de jusprivatistas, mas de qualquer jurista.
Leia mais
Sinopse
Comentários
Deixe-nos o primeiro comentário!

Deixe um comentário

  • Avaliação:
Descreva este livro utilizando apenas adjetivos ou uma frase curta.
Importar imagens:
Arraste as imagens para aqui ou click para importar.
Detalhes do produto
978REV0000165

Ficha de dados

ISSN
2183-9336
Data
05-2020
Edição
Editora
UCE
Páginas
112
Dimensões
16x23x0.60 mm
Tipo de produto
Livro
Idioma
Português
Coleção ou Revista
Católica Law Review
Classificação temática
Direito
Títulos relacionados
Não há itens
Pesquisas recentes

Menu

Crie uma conta gratuita para usar a lista de favoritos.

Login